17 março 2010

UJS Santa Catarina realiza congresso extraordinário e elege Jouhanna Menegaz presidente


Foi com muita disposição que Itajaí recebeu os militantes da UJS de todas as regiões do Estado, no último fim de semana, para o Congresso Extraordinário Estadual. Foram cerca de 100 jovens, reunidos durante dois dias de intensos debates sobre as perspectivas da juventude catarinense e o período de intensas batalhas que se avizinha.

O Congresso teve início com um ato político que contou com a participação do vereador do PCdoB, Marcelo Werner. Na sequência, a programação seguiu com um debate sobre Conjuntura Política, com destaque para a crise ecômica, o papel do Brasil no cenário internacional e os reflexos da política nacional no Estado de Santa Catarina. Na parte da tarde, dois grupos de trabalho discutiram Movimento Estudantil Universitário e Secundarista, com ênfase no planejamento acerca atuação da UJS à frente da União Catarinense dos Estudantes e o início da campanha para o Congresso da UBES. "Foi um momento bastante importante, pois podemos refletir sobre a nossa atuação neste último semestre e criar condições de uma atuação coordenada para as tarefas que temos cumprir, sobretudo, no que se refere a nossa participação na Conferência Nacional de Educação", salienta Vanderson Rodermel, presidente da UCE.

As atividades política se encerraram com um bate-papo com o secretário estadual de formação do PCdoB SC, Divo Guisoni, que falou sobre o protagonismo da juventude, rememorando episódios da história do país, como a Guerrilha do Araguaia e a participação de jovens em campanhas como o Petróleo é nosso.

O domingo teve início com uma palestra sobre o Pré-sal e o projeto de desenolvimento nacional, ministrada por Alexandre Alves, do Sindicato Nacional dos Petroleiros. Logo após o almoço, teve início a plenária final, que aprovou um planejamento referente a atuação da UJS SC para o próximo período, com metas a serem atingidas e calendário. Na oportunidade também despediu-se de sua atuação na juventude o militante Gustavo Chraim (Buda), que deve assumir outras tarefas nas fileiras do PCdoB.

A plenária elegeu Jouhanna Menegaz, estudante de Enfermagem, presidente da UJS, bem como a nova direção estadual para o período 2009/2010. Segundo Jouhanna, este congresso vem para reestruturar a UJS e constituir um novo momento na atuação dos jovens socialistas em SC. "Em clima de muita unidade estamos construindo um novo período na UJS, com destaque fundamental para a organização e crescimento. Estamos frente ao momento de consolidação de um projeto político nacional e a UJS SC dará contribuição à altura do desafio colocado".


Abaixo segue a lista da direção eleita:

Jouhanna Menegaz (Presidente/ME)
Vanderson Rodermel (Vice-presidente)
Júnior Robson da Silva (Sec. de Organização)
Carina Vitral (Sec. de Finanças)
Rudnei Borges (Sec. de Formação)
Dérique Hohn (Sec. de Comunicação)
André Luiz Grossl
Catiuscia Xavier
Daniel Gaspar
Elvio Izaias da Silva
Felipe Ferandez
Graziele Justino
Marcus Vinicius
Maria Elisa Iwaya
Jonas Samoel

www.ujscatarinense.blogspot.com

Um comentário:

SOS DIREITOS HUMANOS disse...

DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA...



"As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
têm direito inalienável à Verdade, Memória,
História e Justiça!" Otoniel Ajala Dourado



O MASSACRE APAGADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA


No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi o MASSACRE praticado pelo Exército e Polícia Militar do Ceará em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do SÍTIO DA SANTA CRUZ DO DESERTO ou SÍTIO CALDEIRÃO, cujo líder religioso era o beato "JOSÉ LOURENÇO GOMES DA SILVA", paraibano de Pilões de Dentro, seguidor do padre CÍCERO ROMÃO BATISTA, encarados como “socialistas periculosos”.



O CRIME DE LESA HUMANIDADE


O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte/CE, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.


A AÇÃO CIVIL PÚBLICA AJUIZADA PELA SOS DIREITOS HUMANOS


Como o crime praticado pelo Exército e pela Polícia Militar do Ceará é de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é considerado IMPRESCRITÍVEL pela legislação brasileira e Acordos e Convenções internacionais, por isto a SOS DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza - CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo: a) que seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) a exumação dos restos mortais, sua identificação através de DNA e enterro digno para as vítimas, c) liberação dos documentos sobre a chacina e sua inclusão na história oficial brasileira, d) indenização aos descendentes das vítimas e sobreviventes no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos



A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO


A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá em 16.09.2009, extinta sem julgamento do mérito, a pedido do MPF.



AS RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5


A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do SÍTIO CALDEIRÃO é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;



A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA


A SOS DIREITOS HUMANOS, igualmente aos familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo DESAPARECIMENTO FORÇADO de 1000 pessoas do SÍTIO CALDEIRÃO.


QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA


A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem localizar a cova coletiva, e por que não a procuram? Serão os fósseis de peixes do "GEOPARK ARARIPE" mais importantes que os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO?



A COMISSÃO DA VERDADE


A SOS DIREITOS HUMANOS busca apoio técnico para encontrar a COVA COLETIVA, e que o internauta divulgue a notícia em seu blog/site, bem como a envie para seus representantes no Legislativo, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal a localização da COVA COLETIVA das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO.


Paz e Solidariedade,



Dr. Otoniel Ajala Dourado
OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
Presidente da SOS - DIREITOS HUMANOS
Membro da CDAA da OAB/CE
www.sosdireitoshumanos.org.br
sosdireitoshumanos@ig.com.br